Thursday, January 31, 2013

WHATEVER GOAL IS IN YOUR MIND, LOOK AT IT LIKE THIS! READY, SET... GO!

Wednesday, January 30, 2013

Everyday, great acts of courage happen. I mean great! The kind of courage that sustains Life or Death. Everyday someone is fighting for their survival, or for the health of their dearest ones. Everyday someone is praying for Peace. If we really listen to what is happening in the world, we'll see that our needy desires that leave us frustrated and angry are a waste of Life. Not that we should all be fighting for something, but at least making a significant effort to bring in more positive energy, love, compassion and forgiveness...

Friendship Forged Under Fire
Listen on: http://www.bbc.co.uk/programmes/p013hg0s 

Former US Army Ranger Blake Hall served in Iraq between 2006 and 2007. In Baghdad he met a young Iraqi known simply as "Roy" who acted as his translator. Roy was later killed in a military operation and ever since Blake has been trying to get permission for Roy's family to move to the United States.

In the slums of the Pakistani capital Islamabad, a young woman is teaching more than a hundred girls to read and write. Chand Bibi comes from Mingora, the home town of the young campaigner Malala Yousafzai, who was shot by the Taliban last October. But Chand Bibi is from an older generation, and unlike Malala, she didn't have the support of her family when she wanted to go to school.

Fawad Mohammadi is the 13-year-old star of "Buzkashi Boys", a short film about Afghanistan's national sport, buzkashi. Fawad was spotted for the role after the Americ
an director saw him selling maps on Kabul's famous Chicken Street.  


 

 

Tuesday, January 29, 2013

Sunday, January 27, 2013

Chocolat...

On a rainy Sunday, there's much to think and conspire. Here's the thought that showed up in a lazy moment of couch random-movie watching.

The young village priest, still figuring out is own voice, finally speaks the truth of his heart... and it goes like this:

"Père Henri: I'm not sure what the theme of my homily today ought to be. Do I want to speak of the miracle of Our Lord's divine transformation? Not really, no. I don't want to talk about His divinity. I'd rather talk about His humanity. I mean, you know, how He lived His life, here on Earth. His *kindness*, His *tolerance*... Listen, here's what I think. I think that we can't go around... measuring our goodness by what we don't do. By what we deny ourselves, what we resist, and who we exclude. I think... we've got to measure goodness by what we *embrace*, what we create... and who we include.



Short Story...

Twin babies are talking in the mother's womb:
  
Do you believe in life after birth?
Yes, I do.

How stupid you are! How would such a life look?
I think it will be lighter there, we will walk on our own legs and eat using our mouth.

But everyone knows it is impossible! We can only eat through our umbilical cord!
I am sure it is possible. I can imagine it.

But no one has ever come back from there. Therefore life simply ends with birth. Life is a suffering in darkness!
No, you are wrong. After birth we will see our Mother and she will take care of us.

Oh! Do you believe in Mother? And where do you think she is?
She is everywhere around us, we are inside her and we can not live without her.

Nonsense! I have never seen any Mother, so there is no Mother at all.
And I believe in Mother with all my heart. In silence I hear her singing sometimes. She loves us. Our life after birth is going to be beautiful. That is my belief.

~ Author Unknown

Monday, January 21, 2013

The Life of Pi, very inspiring!

“Sometimes attaining the deepest familiarity with a question is our best substitute for actually having the answer.”

Brian Greene 

We don't know what made us or what we're made off. We live learning from our mistakes and successes. Life is Huge, but too short to learn all about it. So we should not get frustrated or angry because we feel we've been left alone, drifting in an infinite sea, unprotected from storms and dangerous creatures. We can get familiar with those feelings of aloneness and fear, and instead of hiding them, we can bring them to the light. We can say, I'm afraid, but I'm also strong, smart and loved. I don't know how to be better, but I can live close to that question, How can I be better? The answer lies in the question...

And the story we tell ourselves must come from our effort to emphasize, to illuminate, to colorize  our words, actions and feelings. We can tell our story with ideas that no one believes but that make our life the beautiful experience it should be, or we can tell a story that makes sense to everyone, but brings no warmth or brightness in us. Choose magic, for we don’t know reality that well, enough to say that magic is an illusion. Believe in your joy, in your love, in your spirit.

“If you stumble about believability, what are you living for? Love is hard to believe, ask any lover. Life is hard to believe, ask any scientist. God is hard to believe, ask any believer. What is your problem with hard to believe?”

Life of Pi, Yann Martel

The only “thing” that has always stopped me, and broke me apart of the most important “things” in my life, was fear. So if you have questions that you can’t find the answer, be friend with those questions. If you don’t know what do with your life, tell your self the story of someone who didn’t know what do with their life, but tell it the best and joyful way you can. And if you feel scared for the changes that come from that new storyteller, remember that fear deserves no respect. To be fearful is to choose failure. Fight against it with grace!

“I must say a word about fear. It is life's only true opponent. Only fear can defeat life. It is a clever, treacherous adversary, how well I know. It has no decency, respects no law or convention, shows no mercy. It goes for your weakest spot, which it finds with unerring ease. It begins in your mind, always. One moment you are feeling calm, self-possessed, happy. Then fear, disguised in the garb of mild-mannered doubt, slips into your mind like a spy.”

Life of Pi, Yann Martel

A good exercise to change into a new mindset:

"You have to find a few spaces in your life, a few moments like oases in deserts, where you simply close your eyes and go beyond society, move into yourself, into your own womb. This is what meditation is. The society is there. Simply close your eyes and forget the society, and become alone. No rules exist there, no character is needed, no morality, no words, no language. You can be loose and natural inside.

Grow into that loose-and-naturalness. Even if there is a need for outer discipline, remain wild inside. If one can remain wild inside and still practice things which are needed in the society, then soon he can come to a point where he simply transcends.


Tantra: The Supreme Understanding, Osho

















Friday, January 18, 2013

Óooooh! Tippi the true Nature-Girl : )

Tippi  Degré was born in 4 June 1990 in Namibia, among wild animals and tribespeople. Now she is a french teenager living in Paris. Can you imagine what the city life must look to her? I bet it looks more scary than the leopard's "playing" bite during the video, or the sanke for that matter...


Nice...

Music & Lyrics - Bob Dylan

May God bless and keep you always
May your wishes all come true
May you always do for others
And let others do for you
May you build a ladder to the stars
And climb on every rung
May you stay forever young
Forever young, forever young
May you stay forever young.

May you grow up to be righteous
May you grow up to be true
May you always know the truth
And see the lights surrounding you
May you always be courageous
Stand upright and be strong
May you stay forever young
Forever young, forever young
May you stay forever young.

May your hands always be busy
May your feet always be swift
May you have a strong foundation
When the winds of changes shift
May your heart always be joyful
And may your song always be sung
May you stay forever young
Forever young, forever young
May you stay forever young.


Bob Dylan & The Band - Forever Young (Continued) from Laura Gobbato on Vimeo.

Wednesday, January 16, 2013

Clarity...


Patience...


Será que deixámos de ser bons exemplos?

Ontem tentei ensinar um truque a um puto pikinino, enquanto ele caminhava a tropeçar no "chop" (corda que liga a prancha de surf ao tornozelo). Fiz-lhe um "pssst, olha", sorri, e disse, "faz assim, agarra por aqui que já não tropeças". O puto olhou para mim como se de uma anormal tratasse e ignorou-me. Dei-lhe o benefício da dúvida e voltei a insistir, "assim, assim" e o raio do puto, já cheio de manias! voltou a ignorar-me. Passámos os dois pelo suposto "surf coach" do menino que lhe disse exactamente o mesmo. O puto ouviu, mas acabou por decidir não fazer o que lhe sugeriram, devia estar a pensar "a mim não me ensinam!". Desapertou o velcro do tornozelo a ver se calava aqueles dois adultos tolos. Depois percebi porque razão aquela meia leca não sentia as coisas como uma criança que com curiosidade sincera escuta o Mundo. Mal se libertou do chop, eis que o seu surf coach desata a comandar-lhe instruções para surfar bem... Hum, estamos a falar de um puto de 6-7 anos. Que ele goste de andar no mar e não tenha medo, perfeito! mas que seja com a fluidez de quem descobre as coisas porque as deseja, não através de comandos e pressão. Os nossos pequenos putos estão a tornar-se nos mesmos adultos que não sabendo porque fazem as coisas, fazem para impressionar, fazem para serem os mais fixes, os mais radicais, os mais viajados, os mais populares... Traz-me então à ideia este texto de Walter Hugo Mãe partilhado no Facebook por uma amiga professora:

"Os Professores | Valter Hugo Mãe
Achei por muito tempo que ia ser professor. Tinha pensado em livros a vida inteira, era-me imperiosa a dedicação a aprender e não guardava dúvidas acerca da importância de ensinar. Lembrava-me de alguns professores como se fossem família ou amores proibidos. Tive uma professora tão bonita e simpática que me serviu de padrão de felicidade absoluta ao menos entre os meus treze e os quinze anos de idade.

A escola, como mundo completo, podia ser esse lugar perfeito de liberdade intelectual, de liberdade superior, onde cada indivíduo se vota a encontrar o seu mais genuíno, honesto, caminho. Os professores são quem ainda pode, por delicado e precioso ofício, tornar-se o caminho das pedras na porcaria do mundo em que o mundo se tem vindo a tornar.

Nunca tive exatamente de ensinar ninguém. Orientei uns cursos breves, a muito custo, e tento explicar umas clarividências ao cão que tenho há umas semanas. Sinto-me sempre mais afetivo do que efetivo na passagem do testemunho. Quero muito que o Freud, o meu cão, entenda que estabeleço regras para que tenhamos uma vida melhor, mas não suporto a tristeza dele quando lhe ralho ou o fecho meia hora na marquise. Sei perfeitamente que não tenho pedagogia, não estudei didática, não sou senão um tipo intuitivo e atabalhoado. Mas sei, e disso não tenho dúvida, que há quem saiba transmitir conhecimentos e que transmitir conhecimentos é como criar de novo aquele que os recebe.

Os alunos nascem diante dos professores, uma e outra vez. Surgem de dentro de si mesmos a partir do entusiasmo e das palavras dos professores que os transformam em melhores versões. Quantas vezes me senti outro depois de uma aula brilhante. Punha-me a caminho de casa como se tivesse crescido um palmo inteiro durante cinquenta minutos. Como se fosse muito mais gente. Cheio de um orgulho comovido por haver tantos assuntos incríveis para se discutir e por merecer que alguém os discutisse comigo.

Houve um dia, numa aula de história do sétimo ano, em que falámos das estátuas da Roma antiga. Respondi à professora, uma gorduchinha toda contente e que me deixava contente também, que eram os olhos que induziam a sensação de vida às figuras de pedra. A senhora regozijou. Disse que eu estava muito certo. Iluminei-me todo, não por ter sido o mais rápido a descortinar aquela solução, mas porque tínhamos visto imagens das estátuas mais deslumbrantes do mundo e eu estava esmagado de beleza. Quando me elogiou a resposta, a minha professora contente apenas me premiou a maravilha que era, na verdade, a capacidade de induzir maravilha que ela própria tinha. Estávamos, naquela sala de aula, ao menos nós os dois, felizes. Profundamente felizes.

Talvez estas coisas só tenham uma importância nostálgica do tempo da meninice, mas é verdade que quando estive em Florença me doíam os olhos diante das estátuas que vira em reproduções no sétimo ano da escola. E o meu coração galopava como se tivesse a cumprir uma sedução antiga, um amor que começara muito antigamente, se não inteiramente criado por uma professora, sem dúvida que potenciado e acarinhado por uma professora. Todo o amor que nos oferecem ou potenciam é a mais preciosa dádiva possível.

Dá-me isto agora porque me ando a convencer de que temos um governo que odeia o seu próprio povo. E porque me parece que perseguir e tomar os professores como má gente é destruir a nossa própria casa. Os professores são extensões óbvias dos pais, dos encarregados pela educação de algum miúdo, e massacrá-los é como pedir que não sejam capazes de cuidar da maravilha que é a meninice dos nossos miúdos, que é pior do que nos arrancarem telhas da casa, é pior do que perder a casa, é pior do que comer apenas sopa todos os dias.

Estragar os nossos miúdos é o fim do mundo. Estragar os professores, e as escolas, que são fundamentais para melhorarem os nossos miúdos, é o fim do mundo. Nas escolas reside a esperança toda de que, um dia, o mundo seja um condomínio de gente bem formada, apaziguada com a sua condição mortal mas esforçada para se transcender no alcance da felicidade. E a felicidade, disso já sabemos todos, não é individual. É obrigatoriamente uma conquista para um coletivo. Porque sozinhos por natureza andam os destituídos de afeto.

As escolas não podem ser transformadas em lugares de guerra. Os professores não podem ser reduzidos a burocratas e não são elásticos. Não é indiferente ensinar vinte ou trinta pessoas ao mesmo tempo. Os alunos não podem abdicar da maravilha nem do entusiasmo do conhecimento. E um país que forma os seus cidadãos e depois os exporta sem piedade e por qualquer preço é um país que enlouqueceu. Um país que não se ocupa com a delicada tarefa de educar, não serve para nada. Está a suicidar-se. Odeia e odeia-se."

Tuesday, January 15, 2013

If the highest aim of a captain were to preserve his ship, he would keep it in port forever.

Thomas Aquinas  





Monday, January 14, 2013

... to Be.


“…And we pray,
not for new
 earth or heaven,
but to be quiet 
in heart, and in eye clear.

What we need is here.”

- Wendell Berry

“Our sorrows and wounds are healed only when we touch them with compassion.”
 
- Buddha

Os jovens de hoje vivem “narcotizados”...

Ameaçava chover. O mais certo era que começasse a chover pelo país inteiro, tão grandes eram as núvens que viajavam pelo céu, e de tão pequeno ser este nosso país.

Meti-me por uma porta pequena, como são todas as portas da bonita vila do Marvão e entrei numa loja de coisas para adornar o corpo ou a casa. Estava mais gente dentro, entrei sem ser notada. Fiquei a ver os modestos objectos de adorno enquanto aquecia as mãos e me distraía com a ideia de um eu diferente, com pulseiras, malas e roupas mais ao estilo hippie. Confesso que gostei dessa versão de mim.

Fiquei sozinha na loja e sorri como sempre para a pessoa que me recebia. Não me lembro como começou a conversa, mas rapidamente tomou contornos mais sérios e mais interessantes. A senhora, Luísa de nome, hippie de essência, perguntou-me que idade tinha, para saber se era jovem ou não, pois era sobre os jovens que falávamos. Quando lhe respondi 32 com o ar de quem diz que ainda é muito jovem, ainda antes de lançar alguma piada comum, ouvi-a responder que nessa idade já não se é jovem. Que disparate diz agora a nossa sociedade que aos 30 anos somos jovens. Com essa idade somos já bem crescidos e espera-se de nós um comportamento de responsabilidade perante o futuro da comunidade. Mas não é assim pois não. Os homens e mulheres de 30 anos, andam um bocado perdidos não é assim?

Tive de me fazer grande e respondi que não seria bem assim, mas de facto não deixei de sentir que havia razão em pensar-se isso. Está difícil de sustentar-me a mim própria, tenho pouco tempo para dar a quem precisa, e passo mais tempo a desejar um mundo que não tenho que a viver a realidade tal como ela é.

Incentivei para que Luísa continuasse a falar. Que lição, mensagem, teria ela para me dar?

Pediu-me tolerância e disse-me que uma vez ouvira um espanhol a concluir que os jovens de hoje vivem narcotizados, mas não dos antigos vícios, como as drogas ou o alcool, mas antes pela necessidade de ter. A necessidade de ter coisas e mais coisas. Como não concordar? A maioria de nós não tem tempo para gostar da vida porque a tem de sustentar.

Continuou a falar das manifestações em frente à Assembleia da Republica, mas do lado falso de tudo isso. São manifestções para o facebook e para os twitters. Alguma coisa mudou com essas manifestações? E como todos os que já se sentem com mais passado que futuro, explicou-me que no seu tempo uma manisfestação só terminaria até que verdadeiras mudanças fossem feitas. Enquanto isso não acontecesse ninguém arredava pé. Em união e com verdadeiro sentido de viver, esperava-se por se ser ouvido. Afinal, quem é a sociedade? São esses “bicheiros”* que não têm a mínima noção do que é o sentido de comunidade, e vivem para o dinheiro e para o poder. A ganância é o que lhes dá sentido à vida, funcionários de cifrões na mente, com janelas de presianas fechadas para a desolação.
Senti-me envergonhada. Não faço nem fiz nada para lutar por uma justiça justa. Julgo-me esquecida da sociedade ao sobreviver de recibos verdes e ao pagar impostos cegos sobre os meus rendimentos, sem qualquer apoio quando não tenho como vender os meus serviços, mas isso é uma ilusão que criei para não enfrentar ter a idade que tenho, para não perceber que sou eu, e todos como eu, que podemos fazer alguma coisa.

Depois, já chegada a casa de um fim-de-semana de natureza, com cada musculo do corpo a pedir conforto, peguei no jornal que tinha comprado para ler quando houvesse oportunidade, e eis que mais um conjunto de vozes se ergue para nos acordar deste coma induzido. No público de 12 de Janeiro, vem a rubrica “‘Duas cartas e uma nota, solta’- Que valores para 2013?”, onde a poetisa Ana Luisa Amaral se debruça sobre o estado da esperança para 2013. Nesse ensaio diz-nos assim: “(...) Ainda não fomos esvaziados de participação política, embra possamos correr esse risco. Por isso a solidariedade, nos seus diferentes cambiantes, pode ser uma forma de vos resistir. E de construir um mundo mais bondoso e compassivo” (...) Tal como de palavras são feitas as leis desumanas com que vois nos legislais, também nós de palavras, como formas de solidariedade, nos podemos sempre servir. Para denunciar, para exigir e para nos vincular-mos uns dos outros. Praticando-as no dia-a-dia, praticando-as na arte. Porque elas são o motor da memória. E, enquanto a memória persistir, a solidariedade não morrerá.”

Continua o ensaio com a lembrança de que a Islândia, um país pequeno e de recursos muito específicos, em 2009 não permitiu que as dívidas das “Altas Finanças” viesse esmagar os poucos trocos que cada um com esforço juntou e que o povo nada teve a ver com os devaneios ambiciosos de investidores sem rosto. Responsabilizou-se os verdadeiros culpados das derrapagens económicas e fechou-se um capítulo. Por aqui esmagam-nos com exigências, apertam quem ainda luta por não viver em casa dos pais e por conseguir pagar a sua comida, mas os mealheiros gordos do Senhor Presidente, dos Senhores Ministros e assessores, dos Deputados e Administradores das Instituiões públicas enchem-se de acções monetárias férteis e salários triplicados.

Para terminar fica aqui uma citação para reflectir:

Diz-se geralmente que, em Portugal, o público tem ideia de que o Governo deve fazer tudo, pensar em tudo, iniciar tudo: tira-se daqui a conclusão que somos um povo sem poderes iniciadores, bons para ser tutelados, indignos de uma larga liberdade, e inaptos para a independência. A nossa pobreza relativa é atribuída a este hábito político e social de depender para tudo do Governo, e de volver constantemente as mãos e os olhos para ele como para uma Providência sempre presente.

Eça de Queirós (1845-1900), in 'Cartas de Inglaterra'






























Friday, January 11, 2013

Cuddling Playlist for the Weekend...



What is the greatest accomplishment in life? Without any doubt it is developing the capacity and freedom to simply be ourselves, as we truly are. Not only being ourselves, but feeling good about who we are and what we do, feeling respect for our own Self. Then we go through this life freely, as though in a spontaneous play, and life is more enjoyable than we ever dreamed.

  D.R. Butler                  

Wednesday, January 9, 2013

I have often wondered how it is that every man loves himself more than all the rest of men, but yet sets less value on his own opinion of himself than on the opinion of others.
Marcus Aurelius

Monday, January 7, 2013

... !

"The unknown is an abstraction; the known, a desert; but what is half-known, half-seen, is the perfect breeding ground for desire and hallucination"

- From: http://butdoesitfloat.com/

A special place, very close to Lisbon... Arrabida : )


Can we Love more?

Christmas and the whole greetings season is gone past us and I wonder, where does all the “good will to all mankind” goes? In this time of year everyone gets in synch with thoughts of giving, caring, empathizing, but they don’t seem to last. I dare to say that it lasts until the morning hangover of the 1st day of the year.

A question asked by a reporter* made me think, is it possible to actually truly care about the big human tribe? Could we really care equally about strangers as we care about our closest ones? He asks this literally. Imagine this he says, “Say I bought a fancy pair of shoes for my son. In light of the one-tribe calculus of interests, I should probably give these shoes to someone who doesn’t have any. I do research and find a child in a poor part of Chicago who needs shoes to walk to school every day. So, I take them off my son (replacing them with Walmart tennis shoes) and head off to the impoverished Westside. On the way, I see a newspaper story about five children who are malnourished in Cambodia. Now I can’t give the shoeless Chicago child the shoes, because I should sell the shoes for money and use the money to get food for the five malnourished kids. On my way to sell the shoes, I remember that my son has an important job interview for a clean-water nonprofit organization and if he gets the job, he’ll be able to help save whole villages from contaminated water. But he won’t get the job if he shows up in Walmart tennis shoes. As I head back home, it dawns on me that for many people in the developing world, Walmart tennis shoes are truly luxurious when compared with burlap sack shoes, and since needs always trump luxuries I’ll need to sell the tennis shoes too; and on, and on, and on.”

He has a point, it’s not really possible nowadays to distribute equally all of our belongings. There are too many social differences in our society and other societies beyond ours. But to live only by caring just for our closest one, does not make things better. We can share what we have that will not be missed, be it money, time, or affection, and with such actions we can make a difference, right? The opposite happens so often! Someone who is very unhappy with their life, “vomits” on you all their frustrations because you didn’t choose to run in traffic as fast as them. You’ll be upset, and you’ll share your thoughts of frustration and they’ll ripple through till shore. Other people will feel them and share.

So in terms of being a good citizen, meaning that you’re aware of your surroundings and you care about your community, we all could be good citizens if we stepped off our busy bee lives, and gave just a bit of our time helping out. That’s not too much to ask, yet, are you doing it?

How can one really feel that Buddha-like compassion for all creatures? Most thinkers will say that the way to do this is to start feeling as if the entire human race is our extended family, but maybe as Cicero said, “society and human fellowship will be best served if we confer the most kindness on those with whom we are most closely associated.”

Most studies on Happiness confirm that “the most important element in a good life (eudaimonia) is a close family and friendship ties — ties that bind. These are not digital Facebook friends nor are they needy faraway strangers, but robust proximate relationships that you can count on one or two hands. (...) As Graham Greene reminds us, “one can’t love humanity, one can only love people.”

Who are you loving? Could you love even more people?

*The Myth of Universal Love - http://opinionator.blogs.nytimes.com/
By STEPHEN T. ASMA

Friday, January 4, 2013

"O fim duma viagem é apenas o começo doutra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira no Verão, ver de dia o que se viu de noite, com sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para os repetir, e traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre. O viajante volta já."

- Saramago


Thursday, January 3, 2013

# Another Good Idea


Remember to play... and choose Life.


















I’ve lost how you just forget about others and play like a little kid, as if no one is watching. I’ve forgot how to create for the simple pleasure of it and I’ve become too fearful of wasting time, and I waste time just by worrying about it. I forgot about the simplicity of being alive and the greatness of it. I’ve become too attached to comfort, stability, and I’ve become fearful of change, of tracing my very own path. I’ve grown old by being scared of not being adult enough. I’ve forgot how to play with Life.

I hope Passion visits me again. I hope Love returns with a long tight hug, whispering everything will be ok. I hope Goofiness springs out of my pores, contaminating everyone around me, and everyone around them. I hope Courage roars loud inside my heart, and my eyes reflect the sweet shimmer of ocean’s brightness. I hope that just like a wave, I will wash away back into the beautiful wild beaches of my own very essence, and I can become Free, Strong, and Kind towards myself, and towards others.

I know very little about everything. Knowing that should be enough to Forgive, to Understand, and to be Humble about Life. Of course I have many lessons to learn, and many mistakes to make, and many battles to win. I’ve forgot that Life is happening, right here, right now.

“Let’s go everywhere, even though we’re scared, because it’s Life and it’s happening, it’s really, really happening” (from “You, Me & Everyone we know”)


Albert Einstein said “The definition of insanity is doing the same thing over and over and expecting different results.” ... Hum...

Wednesday, January 2, 2013



Those who cannot feel the littleness of great things in themselves, are apt to overlook the greatness of little things in others.
Kakuzo Okakura (1862-1913)